Sexta-feira, 6 de Novembro de 2009

O Passado e o Futuro de Portugal

          "Aquela longa praia lusitana", terra de Heróis e Descobridores, conhecida ficou pela sua gloriosa história. Fora o primeiro Império Global e o último a morrer.

          Em 1134, Portugal nasceu com as sucessivas vitorias do seu primeiro rei, D. Afonso Henriques. Muitos anos após grandes disputas entre Portugueses, Castelhanos e Mouros, em 1385 Portugal toma um novo rumo. Após a sua gloriosa vitória contra os Castelhanos, em Aljubarrota, Portugal iniciou a Era dos Descobrimentos. Primeiro veio a conquista de Ceuta onde os Brasões de Portugal bem "assinalados" ficaram. De seguida, toda a costa africana fora pisada por Portugueses. Após o grande feito de Bartolomeu Dias, a Índia foi descoberta por mar pelo valente Vasco da Gama. Poucos anos depois o Brasil, no sul da América, torna-se território português.

          Com tantas conquistas e vitórias, "espalhar a fé e buscar ouro" (frase de Infante D. Henrique) tornara-se lema de Portugal.

          Portugal não foi excepção na decadência dos maiores Impérios. O século XX, fora o século de morte do nosso glorioso Portugal Imperial. Os Portugueses, descendentes de Heróis e Descobridores, tão ilustres mantêm esquecidos e adormecidos no sudoeste europeu, o que transparece no Fado, preto e bem cantado, representando o seu luto e choro do seus tempos maravilhosos.

          Contudo, estamos no século XXI, e um novo caminho de prosperidade se constroí. Um caminho onde o passado vive lado a lado com o futuro. Jovens, é a nossa vez!! É a nossa oportunidade de tornarmo-nos novamente Heróis e termos esperança no futuro que se avizinha.

 

 

 

por Paulo Guilherme Peixoto

 

Terça-feira, 27 de Outubro de 2009

O ANO DO ENGANO - 1477

Foi no ano de 1477, durante a guerra com Castela, que uma enorme esquadra andaluze, mandada pelo rei de Castela, de 35 navios e outras tantas dezenas de embarcações menores foram encarregues de aniquilar todas as embarcações lusas que se lhes tomassem pelo caminho.

 

Curiosamente, percorrem mares e costas e não encontram nenhum vestígio. Dirigiram-se então até às ilhas Canárias, onde percorreram baías e rios em busca de navios portugueses, mas sem sucesso algum, apenas conseguiram embarcações de pequeno porte numa das ilhas de Cabo Verde. A esquadra terá, posteriormente seguido para sul, pela costa de África, assaltando várias feitorias portuguesas, que com alguma resistência lhes terão feito frente. p>

 

O príncipe D.João, sabedor do ataque, tomou medidas, e reforçou medidas junto ao cabo de São Vicente, local obrigatório de passagem para os castelhanos quando voltassem para Sevilha.

 

Quando a enorme esquadra andaluze, carregada de mercadorias adquiridas ao longo da viagem, se aproximava do cabo de São Vicente, surge-lhe a frota lusa.

 

As Caravelas portuguesas, estavam equipadas com nova artilharia de grosso calibre, então colocado à prova, e que com tiros rasantes se tinham mostrado devastadores.

 

Em pouco tempo os castelhanos renderam-se. A enorme e poderosa frota tinha sido derrotada.

 

As embarcações castelhanas foram tomadas e levadas para Lisboa, onde lhes trocaram as bandeiras.

 

É caso para dizer, que o feitiço se virou contra o feiticeiro.

 

 

por João António Peixoto

Publicado por Imperiopt às 13:27
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades.

Luís Vaz de Camões

Pesquisar:

 

Autores do Blog:

» Paulo Guilherme Peixoto
» João António Peixoto

Novembro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Posts Recentes:

O Passado e o Futuro de P...

O ANO DO ENGANO - 1477

Análise Histórica:

Para entendermos determinado período ou personagem histórica, temos de mergulhar na mentalidade dessa época. É necessário penetrar nas causas, nas motivações, nos desejos, nas utopias ou ideias, no sentir, na visão de um povo, de um homem, ou de um grupo de humanos, para, de seguida, se poder compreender o significado da sua acção histórica. Trata-se de captar o centro de onde irradiaram os grandes fenómenos históricos.